Por Favor aguarde...
 
   Lembrar dados
 
   Esqueci-me da password
 
 
 

Quando escolheu o nome do seu bebé?

Ver Resultados

Conheça 4 Tipos de partos

Conheça 4 Tipos de partos

O parto é um momento marcante para qualquer mulher. No entanto, o medo de ter muitas dores durante este período é algo que preocupa muitas futuras mamãs.

Algumas mulheres optam pelo método natural. Contudo, existem diversos outros métodos, como: a cesariana, parto dentro de água, parto humanizado

Independentemente do tipo de parto que escolher, tenha sempre em consideração a importância deste momento na sua vida.

 

Parto natural:

Tradicionalmente este processo é feito de forma natural, ou seja, sem a introdução de qualquer fármaco que possa alterar o processo. Contudo, em certos casos, é necessário a introdução de alguns medicamentos para ajudar na amenização da dor e na aceleração do processo.

Para facilitar o nascimento do bebé é comum a necessidade de fazer um pequeno corte na zona entre a vagina e o ânus. Nesses casos é importante aplicar uma anestesia local.

Mesmo assim algumas mulheres optam pelo método 100% natural, apesar de este ser, por vezes, extremamente doloroso (devido a fortes contrações uterinas e dores excessivas a nível muscular)

O parto natural é o método mais recomendo pela Organização Mundial da Saúde e é considerado o mais seguro.


Parto na água:

O parto dentro de água é menos utilizado e mais controverso, na medida que subsistem muitos prós e contras em torno deste tipo de parto.

O trabalho de parto é feito com a mulher dentro de água.
Esta técnica vem sendo referenciada pela sua eficácia contra a dor durante o parto. A temperatura da água a rondar os 35º/38º, provoca uma sensação de alívio, diminuindo a pressão muscular, e a ansiedade.

Contudo, muitos médicos rejeitam este tipo de parto, porque consideram-no um perigo para o feto e para sua progenitora. 

Além disso, não é recomendado a mulheres que sofrem de patologias cardíacas e outras doenças consideradas de alto risco. Caso a mulher tenha tido ocorrências hemorrágicas ao longo da gravidez, não deve submeter-se a este processo.
Se o feto pesar mais de 4.400kg este procedimento não deve ser realizado.

Cesariana:

Neste tipo de parto é feita uma pequena intervenção cirúrgica (um corte no abdómen da mulher) para retirar o bebé.

Muitos médicos defendem que este método só deve ser utilizado em casos específicos, tais como: sofrimento fetal, gestantes hipertensas, gestantes diabéticas, e para pessoas que tenham problemas cardíacos, respiratórios.

A cesariana é indolor, devido à utilização de anestesia local e possibilita a escolha do dia do nascimento.

Por ser considerado um método indolor, muitas mulheres ponderam este processo para ter os seus filhos.

Este processo pode torna-se arriscado, visto que o perigo de infeções é muito alto. O período de recuperação também é mais elevado.

Parto Humanizado:

O respeito pelo corpo e pelo tempo das diversas fases de trabalho de parto mulher (Dilatação do útero, Expulsão do bebé e a Dequitação) é o foco principal deste tipo de parto.

No parto natural é comum que a mulher esteja condicionada a permanecer sempre de deitada de costas na fase da expulsão do bebé. Contrariamente, o parto humanizado possibilita a escolha da posição em que a mulher se sente mais confortável. Podendo permanecer de cócoras ou mesmo dentro de água.

É comum que a gestante opte por estar dentro de água durante a fase de dilatação do útero. É uma etapa um pouco dolorosa, devido às fortes contrações uterinas e musculares, e se estiverem dentro de água a sensação de desconforto diminui.

Não existe qualquer administração de fármacos para acelerar as fases do nascimento do bebé. Normalmente a mulher está num ambiente tranquilo, e acolhedor.

A gestante, ao longo da sua gravidez, aprende técnicas de respiração que são fundamentais na hora do parto.
O parto humanizado por estar ligado aos sentimentos e as emoções, não é considerado uma técnica pela comunidade médica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 
Votar

Cria um countdown da tua gravidez

 

 
comments powered by Disqus